O aeromodelismo, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), é uma tendência em colecionar miniaturas de aviões. Por se tratar de miniaturas, essas naves não podem ser tripuladas, e são pilotadas remotamente, com o auxílio de um controle remoto.

Desse modo, essas miniaturas podem ser dirigidas remotamente para fins de lazer ou para competições de aeromodelismo.  Essa prática é realizada por fãs de aviões, que por paixão pela aviação ou sonho em pilotar aviões, colecionam essas miniaturas como verdadeiros troféus. 

Entretanto, o aeromodelismo não se trata apenas de guardar em lugar de destaque essas miniaturas de avião, ou de pilotá-los em competições. Ele envolve também o estudo, com afinco, das partes componentes, das leis físicas que permitem que uma máquina gigantesca, como o avião, consiga planar no ar, dentre outros conhecimentos acerca da temática.

Dentro desse contexto, hoje falaremos um pouco sobre a geometria do avião, dando maior destaque a uma parte muito importante para a manutenção do voo: o dia spinner.

Geometria do avião

Partes de uma aeronave real para aeromodelismo

Se você é fã de aviões, provavelmente, você já andou pesquisando como uma máquina tão gigantesca consegue planar no céu e ainda ser tão pesada, já que além da sua estrutura, também transporta pessoas e bagagens.

Esse feito só é possível graças a geometria das aeronaves. Para entendermos um pouco sobre isso precisamos conhecer as partes componentes do avião. De modo geral, um avião é composto de:

  • Fuselagem: que nada mais que a lataria, propriamente dita, do avião
  • Asas: que como o próprio nome já denuncia, permite que o avião plane no ar
  • Hélices: que são verdadeiros “motores”
  • Dia Spinner: parte responsável por “furar” o vento
  • Estabilizadores Horizontais: outra parte constituinte do avião que permite planar
  • Leme de direção: permite que o avião mude de direção

Juntas essas partes principais permitem que o avião voe longas distâncias sem sofrer muito com a resistência do ar e outros fatores físicos. Agora que já aprendemos um pouco sobre as partes constituintes de um avião, que tal entendermos como a sua junção atua no voo do mesmo?

Superfícies aerodinâmicas

O primeiro conjunto de peças que analisaremos são aquelas denominadas de aerodinâmicas. Elas são responsáveis pelo design externo da aeronave. Esse design é pré-estabelecido, e sua configuração permite que o avião tenha uma resistência ao avanço, porém não é a responsável por produzir força útil ao voo. Isso significa que não é capaz de sustentar por si só o avião no ar. 

Os componentes que compõem a superfície aerodinâmica são:

Aerofólios

Essas componentes são responsáveis por promover força na hora do voo. Sendo assim, alguns elementos que compõem essa seção são: 

  • Hélices
  • Asas
  • Estabilizador

Dia Spinner

Dando enfoque às superfícies aerodinâmicas, falaremos agora sobre o dia spinner. No aeromodelismo, para montar um avião em miniatura é necessário comprar ou o avião montado, ou adquirir as peças separadamente, para em seguida, montar a miniatura.

Uma das peças fundamentais é o dia spinner. Em miniatura, esse componente é composto de duas partes, a ponta e a base. Ambas são juntas por meio de dois parafusos pequenos. Toda essa estrutura liga o centro da hélice, garantindo que a mesma não saia do lugar, e possa girar sobre o eixo do motor, transformando a energia produzida no motor em movimento.

Já que a maioria das pessoas prefere comprar as peças separadas para montar o seu aeromodelo, é necessário ficar atento às configurações. Uma dessas configurações se refere ao tamanho do dia spinner.

No mercado, estão disponíveis diversos tamanhos de spinner. Para garantir que o seu spinner venha sob medida, é interessante saber o diâmetro da base do spinner que se adeque ao seu avião. Além de observar esse tamanho, é interessante ficar de olho no furo central da sua base, já que é ele que entrará em contato com o eixo do motor. 

Caso os tamanhos entre o eixo e o furo central sejam diferentes, será necessário reformular o furo com uma furadeira. O processo não é complicado, porém dará um pouco de dor de cabeça para aqueles que estão ansiosos para pilotar.

Outro ponto a se observar é o tipo de base do seu spinner. Preferia as bases que não sejam de plástico, pois essas facilmente se quebram.

Como instalar o dia spinner?

Agora que você já sabe o que observar na hora de comprar o seu dia spinner, falta entender como montá-lo ao restante do seu aeromodelo. 

Primeiramente, você deve conferir o tamanho do furo central da sua base do spinner. Se o seu diâmetro não for igual ao tamanho do eixo será necessário aumentá-lo utilizando uma furadeira.

Agora que os tamanhos se igualaram, basta encaixar a base do spinner ao eixo, em seguida adicionar a hélice, uma arruela e uma porca para prender a hélice a base. Por fim, deve-se colocar a ponta do spinner e parafusá-la na base. Agora o seu dia spinner está instalado.

Outro ponto que se deve ressaltar é que pode correr o risco da ponta do spinner não encaixar na sua hélice. Nesses casos, você pode retirar alguns centímetros das aberturas de encaixe. Assim o encaixe terá o tamanho das hélices.

Conclusão

O aeromodelismo, pela própria ANAC, é uma modalidade de colecionadores que adquirem miniaturas de aviões para que possam pilotar por lazer ou em competições. Mas além de admirarem a beleza desses modelos, os apaixonados por aviação precisam dominar, também, a geometria dos aviões para que possam aprimorar a montagem de suas miniaturas. Umas das componentes imprescindíveis dos aeromodelos são os dia spinners, peça que compõe os componentes de superfície aerodinâmica, e que é responsável por ligar a hélice ao eixo do motor. Para não errar na compra dessa peça, fique atento ao diâmetro da base e ao diâmetro do furo central da base.