As maquetes idealizadas e produzidas pelos ferromodelistas são compostas  geralmente por trens, trilhos, bondes, automotrizes e cenários com árvores, pessoas,  malas e até trabalhadores. Mas, há que ir além! Já que todo o realismo faz parte da  diversão, alguns amantes do ferromodelismo e da maquetaria são incrivelmente  detalhistas e incluem no projeto, itens como galeria pluvial, armazéns de docas,  depósito de ramal e muito mais. Dá para acreditar? 

O ferromodelismo é conhecido como a arte de construir e colecionar modelos em  escala reduzida de estruturas ferroviárias. A riqueza de detalhes e a diversidade de  materiais disponíveis nos dias atuais fazem a imaginação fervilhar. Mas, o que seria de  um trem sem um cenário à altura? É por isso que a composição do contexto é parte  fundamental do projeto e cria o que chamamos de maquete. 

O hábito de confeccionar e colecionar locomotivas em miniaturas começou na  Alemanha, em meados do século XIX. O material utilizado para criar as primeiras  locomotivas, era bastante diferente dos atuais; E para a impulsão era utilizado o motor  de um relógio. É por isso que acredita-se que no início, as locomotivas eram  confeccionadas por relojoeiros. 

Como começar em maquetaria 

Com tantas informações históricas, deu até curiosidade de saber por onde começar.  Por isso, separamos um passo a passo que pode ajudar na organização e para saber o que vai precisar de materiais de construção

1- Prepare a base da maquete: 

A base é importante porque dará sustento a todo o seu trabalho. Então invista em uma  base sólida para não ter surpresas desagradáveis no final. Nesse momento, o  ferromodelista precisa definir possíveis cursos de rios, mares e desníveis no solo. 

2- Delimite o solo, gramado, rio ou lago 

Já tendo marcado os desníveis necessários, começa a etapa de delimitação de todos os  componentes terrestres. Para facilitar, marque com caneta os pontos de texturas e os  tipos. Por exemplo, se haverá gramado, asfalto, terra etc. 

Para te ajudar nessa etapa, especialmente em se tratando de desníveis, você pode  utilizar MDF, papelão ou isopor. 

3- Se atente aos prédios, casas e construções da sua maquete 

Feita a base, delimitados os desníveis e texturas, é hora de focar nas construções da maquete.  

Observe o tamanho da base com cautela para que todos os objetos inseridos  posteriormente tenham um tamanho proporcional. Nessa etapa, além dos materiais já  utilizados, podem-se acrescentar palitos de picolé e caixas, entre outros. Usar 

elementos externos como referência, também é interessante. Uma fotografia, por  exemplo.  

A pintura é uma parte importantíssima no trabalho do marqueteiro e pode ser feita  com tinta guache ou acrílica para artesanato. Usar a criatividade também está  liberado. Materiais como papel crepom para dar texturas, é uma ideia bastante  original.  

Atenção para as ruas, para que não corra o risco de construir nada virado de costas  para o sentido correto. Se você preferir, invés de confeccionar todas as partes da  maquete pode optar por comprar as peças já prontas. Uma infinidade de miniaturas  está disponível em sites especializados para te ajudar. 

4- Árvores, plantas, flores e cercas 

Como sabemos, a riqueza de detalhes das maquetes, geralmente impressionam. É por  isso que este é um dos momentos mais importantes da montagem. Você encontra  também na Lima Hobbies diversas opções de vegetação para maquete

Uma dica! Para o paisagismo é melhor que você opte pelos itens prontos. Já que a  confecção caseira tende a ser desproporcional ou mesmo não oferece o realismo que  precisamos.  

5- Faça a água parecer real 

Água artificial pode ser um bom investimento. Você pode usar este elemento para  fazer caminhos molhados, poças, lagoas e cursos de água. Já para mares ou lagos profundos, este tipo de água artificial não é recomendado. Nesse caso, a opção é o Gel  de água 2K. Além de render mais, também passa a sensação de profundidade. 

Mais uma vez, os detalhes podem fazer toda a diferença! Variações de cor e nível da  água, pedras, terra na borda, peixes, algas etc. 

6- Como representar pessoas, animais, veículos e objetos 

O momento mais esperado está chegando! Estamos na etapa final da confecção da sua  maquete para ferromodelismo. A vida cotidiana deve ser adicionada nesse momento.  Também é interessante comprar as miniaturas de pessoas, animais e objetos ao invés  de confeccioná-las.  

Imagine a cena e reproduza-a! As pessoas devem estar executando alguma ação, como  conversar, dirigir, trabalhar. O toque final da maquete é a emoção da imagem. Antes  de fechar com chave de ouro, lembre-se: o foco é a ferrovia, então a história contada  pela maquete deve ser voltada para ela.  

7- Acabamentos da maquete

Dê uma olhada minuciosa em sua obra de arte. Tente esconder eventuais marcas de  cola com grama, terra ou água. Para isso, existem à sua disposição texturas especiais à venda. 

No acabamento também podem ser adicionados fios de eletricidade, luzes, sistema de  irrigação e muito mais.  

Como todo cuidado é pouco, se achar pertinente, englobe sua maquete com uma  cúpula de vidro ou plástico.  

Fim do espetáculo! Sua maquete ferromodelista está pronta! Conta para a gente como foi o seu processo! Queremos muito saber como foi seus primeiros passos em maquetaria e qual é a parte que mais gostam.